sábado, 20 de junho de 2009

Cinzas de mansidão


Brisa fria m’alma adentra
Minha pele faz clamar
Agasalhos ! cobertores!
O meu ego quer falar!

Tão profunda é a alma
Nem o frio pode calar
Como larvas de vulcão
Ávidas por derramar

Deslizando por entre os montes
Esfriando as inquietações
Transformando fogo ardente
Em cinzas de mansidão ...

Graça Matos
20/06/09

4 comentários:

  1. simplesmente adorável!

    Wilson Macêdo Jr.

    ResponderExcluir
  2. Lindíssimo poema, Graça. Aplausos.
    E um beijo, no coração.

    ResponderExcluir
  3. Parece que você pensa em forma de versos.
    Parabéns!

    ResponderExcluir