terça-feira, 19 de julho de 2011

Silêncio mudo


Casulos neblinados
Borboletas sem bela flor
Almas aprisionadas
Limitadas pela dor

Sonham desabrochando
Rasgando as vestes da prisão
Incipientes criaturas
Castradas no coração

Olhos embassados
Enxurrada de emoção
O silêncio mudo fala
Faz doer o coração

Ferido e acoado
Corre sem direção
Feito fera atordoada
Alma clamando atenção


Graça Matos
19/07/2011

Um comentário:

  1. Parabéns pelo Blog... adorei a poesia...

    http://paponalingua.blogspot.com/

    ResponderExcluir